"Tudo o que não deres, perde-se!"
Página Inicial
Apresentação
Formação
Testemunhos
=> Maxixe 2008
=> Luanda 2008
=> Lubango 2008
=> Maxixe 2007
=> Lubango 2007
=> Luanda 2006
=> Lubango 2006
=> Lubango 2005
=> Luanda 2004
Ser Gasafricano...
Fotografias
O que fizemos em 2008
O que fizemos em 2007
O que fizemos em 2006
Quero dizer que...
Apoios Empresas 2008
Apoios Empresas 2007
Agradecimentos
Porquê contribuir? - Como contribuir? -
Contactos
 

Luanda 2004

... Sinto neste momento a paragem neste tempo de um tempo que já foi... e quase que sinto isso intenso como um abismo, que nos modificou para sempre no caminho abrupto de um sentir genial, completo, mais intenso, protector...

Orgulho-me... quando me define esta contenção de Luanda. Sinto-me a explodir dentro de mim mesma... e doí tanto... e é tão Bom!

Márcia Mota

-

-

 

(8 de Agosto de 2004)

Sexta-Feira à noite fomos “visitar” os meninos de rua.

Meninos a partir dos sete anos… frágeis, desprotegidos, completamente perdidos… com fome, com frio, drogados…

Não podes aquecê-los a todos, mas já não consegues ter o casaco vestido. Dás a um pequenito que, pelo menos esta noite, vai estar mais quente. Talvez amanhã venda o casaco para comprar gasolina… mas agora está quente. Sorri, abraça-te, chama-te mãe… Um outro pequeno corpo aproxima-se… treme de frio e tem os olhos vidrados pela gasolina… Já não tens casaco para ele… abraça-lo… ele deixa cair a cabeça no teu corpo e fica ali… quieto… Enquanto o abraças, olhas o céu e tentas rezar, tentas acreditar que está ali Alguém, que Deus existe… Dói-te demais! O coração aperta-se… uma lágrima cai, e outra, e outra… entregas-te a essa desolação que parece não ter fim… mas tem! Porque mais um olhar triste se aproxima. Limpas as lágrimas, sorris, perguntas o nome, abraça-lo também…

(…)

Vens embora como quem acorda de um pesadelo, mas sabes que aquilo é real!

 

                (27 de Agosto de 2004)

Os curativos na pediatria…

Enchem-se umas luvas a fazer de balão e lá se vai ganhando um sorriso ou outro. Mas quando as dores são fortes demais, só nos resta segurar-lhes a mão, limpar-lhes o suor e tentar acalmá-los… A dor deles aperta o coração com muita força! Trocava de lugar com eles sem pensar duas vezes! São crianças… e não sorriem, não saltam, não brincam… o seu dia é passado a tentar suportar dores incrivelmente absurdas!

As lágrimas ameaçam os meus olhos, mas vou conseguindo segurá-las.

É então que chega um médico vietnamita. Pega num miúdo, atira-o para o chão e prepara a agulha: é preciso drenar um líquido que tem no joelho. O menino grita, completamente desesperado… Sento-me no chão e procuro segurar a sua cabeça, abraçar as suas mãos… O médico grita-lhe e agarra-o, batendo-lhe para que fique quieto…

Perco as forças e deixo que as lágrimas me vençam… fraquejei… Procuro limpar as lágrimas para que o menino não perceba que estou a chorar, mas já não tenho forças e as lágrimas continuam a cair!

O pequenito continua a tentar lutar contra a dor e contra o médico, que agora o ameaça com a seringa na sua cara…! O meu desespero toma proporções maiores: grito-lhe que pare, que tem à sua frente apenas uma criança… Perante o meu choque, ri-se com os enfermeiros, divertido com o sofrimento ou simplesmente sem capacidade para perceber a dor daquela criança…

Depois de terminar o que tinha a fazer, o menino pode voltar para a sua cama, mais tranquilo… por hoje acabou!

O médico pára a olhar para mim e chama-me para conversar… No dia seguinte volta àquela sala da pediatria com outra disposição. Com cuidado, aborda a criança e trata-a com a dignidade que merece. E o menino não chora…

Mónica Gomes Pacheco

-

-

(25 de Agosto de 2004)

Esta é uma flor de um arbusto que existe no Palanca, na zona de areia, à saída da enfermaria. Foi oferecida pelo Augusto, um menino muito traquinas que no primeiro dia me fez perder a cabeça, mas que aos poucos foi derretendo a máscara de «mauzão» de que precisava para sobreviver. Não sabemos a idade dele. Os meninos do Palanca são intemporais, são tesouros incalculáveis que nos inundam a alma.

A tarde começa com uma hora de aulas, por vezes português, noutras matemática ou, respondendo à curiosidade de um olhar brilhante, «Erma, mi explica camada di ozono! Bué di carro tá furando, né?» (Meu querido Tomás, onde estarás?). É o fascínio das suas interrogações.

São lutadores na sinuosidade das suas vidas. Vivem sós, com todos. São do mundo, das ruas, mas não têm lar.

Encontram-se connosco, dão-nos um sorriso, apaixonam-nos… mas cada um dita o seu futuro. Cada um faz a escolha de ficar no Centro ou partir e viver cada dia como se fosse o último.

Dói pensar que este estar é tão efémero, que pudemos chegar uma tarde e aquele menino já não estar. A rua chama-os, a maralha convoca-os.

Durante estes dois meses vamos tentar alimentá-los com a nossa presença, com o nosso amor. Começam a não sair ao fim da tarde, quando as portas se abrem para a «city», para estarmos juntos.

       

 

Ana Oliveira


88448 visitors (311189 hits) on this page!
 
ESTAMOS JUNTOS!
Pe. Horácio, Irmã Danuta, Irmã Dominique, Mons. Cachadinha, Pe. Rafael, Cardeal Nascimento, Daniel, Afonso, Bebucho, Nandinho, Carlos, Merlém, Gedeão, Fausto, Paulo, Guelo, Edgar, Gotché, Salvador, Pedrito, Dani, Nelson, Paizinho, Jelson, Moisés, Rabi, Capiqueno, Glodi, Maquiesse, Paíto, Miguel, Morientes, Stil, Lau, Ladi, Sapalo, Cristina, Nguevinha, Pe. Pablo, Irmão Facatino, Mafalda, Lili, João Correia, João Pinto, Ermã Rosália, Ermã Raquel, Ermã Mónica, Ermã Ana, Ermã Márcia, Ermã Patrícia, Mana Nélia, Mana Diana, Ermã Sofia, Ermã Xuxa, Ermão Ricardo, Ermão Bruno, Ermã Cami, Ermã Mariana, Ermã Gabriela, Mana Andreia, Mano Gustavo, Mano Luís, Pe. António Augusto Azevedo, Pe. Bacelar, Pe. Albino, Sr. Aires, David, Irmã Bernardete, Mana Daniela, Mana Maria João, Augusto, Adilson, Mateus, Anita, Camono, Tomás, Irmã Chá Chá, Irmã Conceição, Dr. Chicola, Danado, Manucho, Apaixonado, Joãozinho, Margarida, Marisa, Euclésio, Mado, Dores, Sebastião, Joana, Guacho, Irmão Nelito, Vitória, Jorge, Toni, Joel, Zeca, Rodrigão, Jerry, Stalone, Simão, Zé, Fred, Moisés, Adonisio, Arno, Azarado, Tibob, Sozinho, Abel, Puto Chinês, Dafanta, Manix, Chico Grande, Cocopina, César, Danoite, Djike, Panzo, Laton, Dasorte, Arao, Bala 10, Tino, Lucas, Paulino, Sr. Faustino, Manucha, Tetinha, Bucha, Rata, Ingrácia, Janete, Cassinda, Maria, Marta, Jamba, Dlelau, Yya, Didi, Cipri, Delfina, Lúcia, Angélica, Sozinha, Ju, Délcio, Ossi, Cascuro, Domingos, António, Papixulo, Pensamento, Irmã Tassy, Sandra Lemos, Pe. Moura, Dra. Maria Lopes Cardoso, Pe. Ezio, Pe. Lucas, Mugabe, Jombosse, Irmã Emília, Irmã Clara, Juju, Anja, Adino, Leo, Genese, Fátima, Titia Cristiana, Titio Nelson, Mana Francisca, Mana Cláudia, Mano Michal, Titio Lucas, Titio Carlos, Titia Carlota, Titia Joana, Titia João Casais, Titia João Mautempo, Ermã Tita, Ermã Telma, Ermão Bruno, Ermã Cláudia, Ermã Sofia, Ermã Cátia, Ermã Catarina, Ermã Ana, Afonso, Antoninho, Lino, Fanuel, Manuel, Sr. Carlos, Irmã Josiana, Irmã Sónia, Irmã Creusa, Pe. Pedro,
 
=> Do you also want a homepage for free? Then click here! <=